Montar PC: Como escolher fonte de alimentação

No meu último post em que explico como testar uma fonte de alimentação insisto que devemos ter uma boa fonte. E como escolho uma boa fonte de alimentação?

Potência

Normalmente as fontes são mais eficientes com cerca de 50% de carga (load). Logo convém que não seja nem muito potente (mais não é sempre melhor), nem muito fraca.

Além disso a carga varia. No meu caso se estou a ver páginas e a ouvir música gasto uns 100 watts. Se estou a jogar por exemplo o The Witcher 2 vai aos 200w. Não estou a contabilizar os meus 2 monitores de 24’’. Estes monitores gastam 35w cada, o meu candeeiro da mesinha da cabeceira gasta 65w (sim, tenho de trocar a lâmpada).

Para obter valores exactos comprei um medidor de watts (ver imagem). Custam uns 15€ mas valem o peso em ouro desde que pesem 15€ de ouro. Não façam como eu, verifiquem quais os watts mínimos e máximos que o aparelho lê. O que comprei só regista acima de 15w, logo não posso testar quanto gasta o pc em stand by. 

Este aparelho além de ser bom para saber exactamente que tipo de fonte se precisa, também ajuda a poupar energia em casa. Já receberam alguma conta de electricidade astronómica e ficaram a pensar que raio se passa? Isto encontra o problema.

Eficiência

Como falei no meu último post, as fontes de alimentação convertem AC em DC, mas conversões energéticas perdem energia pelo caminho. Logo nesta conversão gera-se calor e desperdiça-se electricidade. Nos dias que correm uma boa fonte tem o certificado 80 Plus Gold. Este certificado garante que a fonte fornece pelo menos 90% de eficiência com uma carga de 50%. Ao fim do ano com o que poupam podem fazer umas férias. Pequenas e baratas. E em casa.

Cabos modulares

Já viram aquela cena no Indiana Jones em que num jantar servem uma cobra e quando a cortam começam a sair cobrinhas por todo o lado? As fontes de alimentação são iguais, quando se tira aquela tampa da caixa começam a sair fios por todo o lado! 

E para que serve tanto fio? Muitos deles para nada. Mas fica mais barato fazer uma fonte com os fios presos do que fazer uma fonte modular em que só encaixamos o essencial. Uma fonte modular permite ter uma caixa como a seguinte:

Estão a ver o que está a acontecer? Só saem da fonte os fios necessários e estes fios passam por trás da motherboard, logo com uma fonte modular e uma caixa com buracos para a parte de trás (como esta) podemos diminuir nos fios e arrumá-los para segundo plano. Parece higiene a mais? Joguem ao munelhos e depois já têm uma ideia do que acontece quando querem meter uma plaquita PCI e o PC deixa de funcionar porque saiu um fio que nem conseguem ver… Meter um componente num PC em 2011 não devia ter semelhanças com um jogo de roleta russa.

Ruído

Tenham em atenção o ruído que a fonte faz. Convém que seja abaixo dos 40 dBA em qualquer carga. Mesmo que não tenham o PC no quarto reparem na sensação quando desligam o PC barulhento.

Expandir

Ao escolher a fonte convém contar com os upgrades possíveis. Vão meter uma placa gráfica em paralelo em SLI ou crossfire? Vão ligar uma máquina de tirar finos USB? Isto convém estar contabilizado para manter a fonte útil durante muitos anos.

Compatível

Esta dica é mais para quem compra pela Amazon e afins. Reparem se a fonte de alimentação é compatível com as fichas que usam.

Conclusão

A maioria das pessoas precisa de algo simples, mas é bom saber as opções disponíveis. Acima de tudo evitem comprar fontes fracas!

Advertisements
This entry was posted in Geral. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s